O futuro de um país

28/02/2017

Quero aqui voltar num assunto que encerra tantas nuances em relação ao futuro de nosso país, que o vejo como intrínseco a minha missão como jurista e ao meu sacerdócio como pastor, a legalização das drogas.

Existem comentários diariamente nas mídias provindo das mais variadas personalidades, o que é extremamente salutar, pelo contraditório, artistas como vanguardistas opinam, inserem em textos, músicas e espetáculos de alguma forma fazem apologia ao uso de drogas, políticos de esquerda não comprometidos com a mantença da ordem familiar também se manifestam a favor da descriminalização das drogas.

Na Câmara dos Deputados existe bancadas nominados com os mais diversos temas que defendem, mas a que acho que agrega a grande maioria dos parlamentares é a meu ver a bancada da família, essa é aquela que se preocupa como os filhos do Brasil, jovens em formação que constituirão a base sólida de nosso futuro, que respeitam os pais, as autoridades os mestres, acreditam num ser supremo e Criador.

Para ouvir o anseio da sociedade e eventualmente mudar ou propor mudanças na legislação todo país democrático mantém um Parlamento constituído e eleito para essa finalidade, com possibilidade de acesso a qualquer do povo.

Um parlamentar sério ao propor um projeto de lei como por exemplo a descriminalização das drogas, vai buscar exemplos onde foi aplicado, lendo matéria de capa da Folha de São Paulo de segunda feira 13 de fevereiro corrente, traz matéria com o título "Amsterdã fecha "coffeeshops" por pressão política " ou seja fecharam casas de consumo liberado de drogas por estarem trilhando um caminho inverso pois novas medidas impedem a venda de maconha a menos de 250 mts das escolas, pois, o que se viu foi a degradação de uma geração e o perigo de se atingir a próxima.

Volto novamente nesse tema e me baterei à exaustão enquanto pessoas importantes, autoridades constituídas nos mais altos postos da República, opinarem publicamente a favor da total descriminalização das drogas a começar da maconha e a posteriormente até a cocaína, e noticiado em toda imprensa, como o fez o Eminente e Exmo. Ministro do STF, Luís Roberto Barroso, que ao propor essa mudança justifica pela grande quantidade de pequenos traficantes presos e a repressão não conseguir atingir o crime organizado.

Sinto que uma autoridade da mais alta corte de nosso país, esqueça a liturgia do cargo e manifeste opinião de foro íntimo publicamente, com certeza confundindo a sua consciência íntima, com o exercício do cargo, tanto é fato comprovado por ter sido matérias de destaque na imprensa de todo país, e sendo visto como porta estandarte de tão polêmico assunto.

Se for assim tão simples esvaziar os presídios, vamos abolir o código penal e dar alforria ao satanás e com cadeias vazias teremos um salve-se quem puder.

Finalizo pedindo a Deus que ilumine as mentes de todas altas autoridades de nosso país para que ajudem a solidificar um mundo melhor, e derrame as mais doces bênçãos celestiais a todos.